Assinatura RSS

Arquivo da tag: copa do mundo

sobre a geral do maraca

Publicado em

De Lúcio de Castro, em comentário na ESPN Brasil:

“Eu estava vendo ‘Garrincha, a alegria do povo’, [e lá havia] aquela geral do Maracanã, cheia de preto mermo … a negada lá desdentada podendo ver seu time, sua paixão. este Maracanã que a gente não vai ter mais, onde fui criado, vendo ali no meio da geral mermo, o povão podendo ver”

 

(note que a chamada da notícia do link só menciona o comentário do PVC)

Garrincha no maraca

Ora, não sou desses saudosistas que acham que o Brasil era um país melhor há 60 anos atrás.

Claro, havia menos violência, a vida cultural era ótima, e as pessoas viviam em cidades de maneira mais tranquila.

Isto, contudo, não quer dizer que aquele não era o país que privilegia uma elite opressora, como hoje. Que aquele não era o país vendido aos interesses estadunidenses, como é hoje, que não era um país cujas elites desejavam ser europeias, e cujos trabalhadores desejavam ser burgueses. Tal como hoje.

 

Bem, dito isso, é impressionante como o processo excludente no Brasil se aprofunda em várias camadas. O fim da geral no Maracanã é um símbolo. O povo hoje perde inclusive seu circo, pois o circo para ser bom deve ser branco.

É a lógica da exclusão do capitalismo, me desculpem se sôo repetitivo.

Observe, no entanto, que a exclusão é postiça: o pobre e o miserável não foram cuspidos da globalização, pois são partes fundamentais à continuação do processo. Foram cuspidos apenas dos benefícios da globalização e do capitalismo, como se observa na exclusão dos pobres da copa do mundo.

Talvez isto gere um descontentamento geral de tal grau que TALVEZ possamos mudar alguma coisa.

(por fim, fica um salve à ESPN Brasil, que diuturnamente chega o reio nos desmandos da CBF, da Fifa e da Copa )

sobre a necessidade de se falar da copa

Publicado em

 

o presidente e o governador

É uma mais que uma questão momentânea a copa do mundo no Brasil.

Entendo que nosso país lutou e muito para chegar onde está (ok, não está lá muito bem). Mesmo que ainda haja caciques, miséria, desigualdade e etc., não vejo como negar que a democracia é no atual estágio de desenvolvimento de nosso país uma ótima opção.

E daí? Daí que as instituições de um país apenas podem ser conhecidas nos momentos graves, ou seja, nas horas em que são postas à prova.

Não se trata de uma moral, como a que suporia que devemos todos rumar à honestidade. Não existe “a” Moral, como dizia nosso mestre austríaco. Trata-se de direito. Direito, desculpem-me os carolas, os padres e alguns bem intencionados defensores dos “direitos humanos”, não é e nem pode se confundir com a moral.

Assim, está em xeque em um momento grave de nossa história o direito. Como vão reagir nossos tribunais diante da enxurrada de absurdos em prol de duas gigantescas organizações privadas como a FIFA e o COI?

Não sei, e este é um teste. É nosso grande teste. Por enquanto, vê-se o famigerado espetáculo de beija-mãos entre poderosos, inclusive com a inversão de papéis. Não me importam, agora, mais os políticos. Quero é ver como será o poder contra-fáctico dio direito.

O direito nunca me desapontou porquê nos momentos graves geralmente espero que este haja de forma diferente da que eu agiria – claro, é uma metáfora, pois o direito não existe. Em outras palavras, não pode desapontar algo do qual nada se espera.

Espero, então, ser surpreendido. Que sejamos sólidos. É momento chave de nossa democracia de 23 anos visto por alguém que nasceu na ditadura.

sobre cuspir abelhas africanas

Publicado em

O tema é novamente a Copa do Mundo Fifa 2014 no Brasil.

 

Primeiramente, sempre que se fala sobre “Medida Provisória” deve ser dito que trata-se de mais uma invencionice brasileira (inspirada na Itália, ok) absurda e autoritária. Um expediente de exceção que se transformou num instrumento de despotismo (sim, temos um poder moderador).

Dito isso, é revoltante saber que o texto da MP 527 além de proporcionar às obras da Copa e da Olimpíada no Rio um “regime diferenciado” de contratações [RDC (!)] também fará com que estes gastos permaneçam sigilosos ao público. Para sempre.

A medida, se realmente aprovada, me parece inconstitucional por uns 29 ângulos diferentes.

Mas não é isto que importa aqui. Importa aqui ver como o PT que começou há algum tempo a ficar parecido com o PSDB transforma-se na ARENA cuspida e escarrada. Ou melhor, é uma ARENA intelectualizada e composta de alguns trabalhadores da grande São Paulo – uma ARENA que defende o segredo dos gastos públicos em 2011.

Deveríamos debater nestes dias medidas (como a Transparência Brasil e Contas abertas) para uma maior transparência, como é o portal da transparência do governo e como prometido por Lula. Não um sigilo vergonhoso.

Mas apenas para deixar claro: trata-se de uma medida com força de lei que beneficia empresas GIGANTESCAS do Brasil e do mundo: multinacionais que já têm dinheiro para comprar uma Ribeirão Preto e outra Fortaleza, entre prédios, vielas e almas.

Não vai beneficiar a ninguém a não ser gente muitíssimo poderosa ($$) e a própria Fifa.

O Itaquerão, a ser construído em um terreno público (!) com financiamento público pelo BNDES (!) e com recorde de isenção fiscal pela prefeitura (mais de 400 milhões de reais) (!) com uma tubulação pública da PETROBRAS embaixo é apenas uma amostra do que pretendem esconder os senhores da guerra do Brasil.

Senhores, aliás, comandados por uma senhora.

Por que não isentam de IPTU as padarias de Itaquera? Qual a diferença entre uma padaria e um estádio?

A ministra Ideli diz que críticas à falta de transparência não têm sentido. Que sem sentido é a “insegurança” de as obras não serem feitas sigilosamente.

Com licença: meu estoque de mágoas e desaforos que levo pra casa devem ser esquecidos para que eu masque um pouco das abelhas situadas ao lado de minhas cervejas.

sobre a copa do mundo de 2014 no Brasil

Publicado em

Não haveria nada de mais no fato de o Brasil sediar a copa do mundo em 2014. Absolutamente nada, não fosse tratar-se de Brasil e de Fifa. E, infelizmente, é o caso.

Os mais crentes diriam que basta apenas fiscalizar bem como o dinheiro será aplicado e, no mais, bastaria aproveitar a infraestrutura que seria aqui investida.

A coisa não é bem assim:

1- A FIFA fica com TODA a arrecadação referente aos ingressos da Copa. Ué, assim eu também quero. Não coloco um tostão, apenas organizo (que custa e dá trabalho, OK) e recebo TODA a renda das entradas.

2- A FIFA recebe TODA a renda auferida com a publicidade.

3- A FIFA recebe TODA a renda obtida com os direitos de transmissão.

4- A FIFA e seus “parceiros” (talvez alguém que tenha feito direito possa encontrar nome melhor em certos códigos) NÃO PAGAM IMPOSTO ao país-sede.

Por parte do “governo” brasileiro:

1- Serão gastos de R$ 30 a 60 bilhões (!) com um trem bala que ligará Campinas ao Rio, enquanto a malha ferroviária do país está capenga. Junto ao governo, entrarão na festa do dinheiro os fundos de pensão como a PREVI.

No caso do trem de alta velocidade (TAV), não haveria necessariamente um problema, não fosse:

— 1a – O trem bala ligará apenas aeroportos, ou seja, não passará pelas cidades.

— 1b – O trem bala custará uma fortuna, ou seja, será apenas para quem tem bufunfa.

— 1c – O Brasil precisaria investir em ligações ferroviárias para um país de proporções continentais, e para ligar pessoas e produção: Mato Grosso do Norte e do Sul até o pacífico e uma espécie de transnordestina. Ou, ainda, uma ligação entre Porto Alegre, passando pelo porto seco de Criciúma, pelo molhado de Itajaí e chegando a Curitiba.

— 1d – O trecho Campinas –> Rio de Janeiro já possui estradas muito boas (apesar de caras) e aeroportos. Sou a favor, repito, do transporte ferroviário, mas este trecho não é urgente: já fizeram a burrada de nos encher de estrada, agora não é hora de mudar absolutamente tudo.

— 1e – Trem bala é projeto mirabolante de uma elite que foi proposto inicialmente por .. Levi Fidelix!

— 1f – Esta palhaçada toda representada por estes bilhões será feita por ocasião de um evento de um mês.

— 1g – Nem imagino o impacto ambiental deste projeto. Aliás, nem eu nem o governo.

Acho que vou parar por aqui, já ficou grande demais a parte do trem bala. O comentário em relação à Copa de 2014 terá seguimento. Na próxima é sobre os estádios, mas é pra próxima.

ps: vi só agora este artigo sobre o trem bala. Faz sentido o que diz.

sobre a “rivalidade” com a Argentina e as cervejas

Publicado em

Bem, acho que as agências de propaganda do Brasil são boas, pois são beeem criativas.

Mas não é o que se vê nas campanhas de cerveja.

Os chavões são muitos, imbecis e simplórios. Mulher gostosa, galera feliz e jovem. Esquecem-se de pessoas como eu, que abro uma na frente da tv ou do violão para confortar minha insônia. Gordo, insone, depressivo, careca e barbudo – um hor-ror-or.

Lembro-me que uma das invenções da escola funcionalista de comunicação é o conceito de “público alvo”. Eu, com certeza, não faço parte deste.

O que mais me irrita nesta copa é a insistente associação DIRETA entre cerveja, pátria e futebol.

Não quero ser chato, mas não tem absolutamente nada a ver, não existe QUALQUER relação: não há pátria de chuteiras, há jogos e competições, não há boleiro cachaceiro, há atletas, e, sobretudo, muito menos não há nação cachaceira, pois os bebedores são uma ínfima minoria.

Como é uma guerra com guerreiros (acho que esta é a campanha da Brahma) há os adversários inimigos: os argentinos.

A oposição apresentada não se limita ao futebol, locus em que há realmente uma rivalidade histórica, mas ultrapassa qualquer limite – parece que há realmente uma grande diferença entre argentinos e brasileiros, que seriam povos que se odiariam.

Também não é verdade. Somos povo vizinhos e irmãos, e quem já foi à Argentina sabe que as brincadeiras restringem-se ao futebol, a menos que haja outros imbecis ao redor – e sempre há.

Quer ver dois povos rivais? Pergunte aos chilenos sobre os bolivianos e vice-versa: aí o negócio pega.

Entre Brasil e Argentina há diferenças culturais óbvias, mas isto está longe de representar uma relação de inimizade. Longe disso. Quem já passou verões no litoral de Santa Catarina sabe que a confraternização entre brasileiros e argentinos é muito maior que qualquer picuinha ou pequeno preconceito.

Para mim trata-se apenas da invenção de inimigos em um país sem nenhum caráter.

meus palpites para copa 2010

Publicado em

Desculpem-me, fiz a tabela ontem pouco antes do jogo da África do Sul mas não consegui postar. Acertei o resultado do primeiro jogo, não foi trapaça não.

A formatação foi copiada do Danilo Havana – acho que tem uns jogos com as datas erradas, mas vai assim mesmo, não tenho certeza.

Minhas zebras: costa do marfim e bafana-bafana.

Há dois jogos difíceis e chaves: Costa do Marfim vs Portugal e na eliminatória quem pegará a Espanha. Esta ganha da Costa do Marfim mas perde de Portugal.

Há ainda o confronto difícil entre Argentina e Alemanha. Pra mim dá Alemanha, que anda mal das pernas, mas nunca se sabe.

Alemanha campeã também é uma zebra.

FASE DE GRUPOS

Grupo A

11/06    África do Sul  1 x 1  México

11/06    Uruguai  2 x 2 França

16/06    África do Sul  2 x 1  Uruguai

17/06    França  2 x 0  México

22/06    México   1 x 1 Uruguai

22/06    França  3 x 0  África do Sul

Grupo B

12/06    Argentina  2 x 0  Nigéria

12/06    Coreia do Sul  1 x 1  Grécia

17/06    Grécia  2 x 3  Nigéria

17/06    Argentina  1 x 0 Coreia do Sul

22/06    Nigéria  2 x 0  Coreia do Sul

22/06    Grécia  1 x 1  Argentina

Grupo C

12/06    Inglaterra  2 x 1  Estados Unidos

13/06    Argélia  0 x 1  Eslovênia

18/06    Eslovênia   1 x 2  Estados Unidos

18/06    Inglaterra   1 x 0  Argélia

23/06    Eslovênia   1 x 1  Inglaterra

23/06    Estados Unidos   2 x 2  Argélia

Grupo D

13/06    Alemanha  2 x 0  Austrália

13/06    Sérvia   2 x 1  Gana

18/06    Alemanha  1  x 2  Sérvia

19/06    Gana  2 x 0  Austrália

23/06    Gana  1 x 3  Alemanha

23/06    Austrália   1 x 0  Sérvia

Grupo E

14/06    Holanda   2 x 1  Dinamarca

14/06    Japão   1 x 2  Camarões

19/06    Holanda   1 x 1  Japão

19/06    Camarões  2 x 3  Dinamarca

24/06    Dinamarca   1 x 1  Japão

24/06    Camarões   0 x 2  Holanda

Grupo F

14/06    Itália   1 x 0  Paraguai

15/06    Nova Zelândia   1 x 2  Eslováquia

20/06    Eslováquia   0 x 0  Paraguai

20/06    Itália   0 x 0  Nova Zelândia

24/06    Eslováquia  0 x 1  Itália

24/06    Paraguai   2 x  1 Nova Zelândia

Grupo G

15/06    Costa do Marfim   1 x 0  Portugal

15/06    Brasil   3 x 0 Coreia do Norte

20/06    Brasil  2 x 1  Costa do Marfim

21/06    Portugal   4 x 1  Coreia do Norte

25/06    Portugal   2 x 2  Brasil

25/06    Coreia do Norte   0 x 3  Costa do Marfim

Grupo H

16/06    Honduras   0 x 2  Chile

16/06    Espanha   1 x 0 Suíça

21/06    Chile  1 x 1 Suíça

21/06    Espanha   3 x 2  Honduras

25/06    Chile  1 x 2  Espanha

25/06    Suíça   0 x 0  Honduras

OITAVAS

Jogo 1 – (1A) França  1 x 0 Nigéria (2B)

Jogo 2 – (1C)  Inglaterra  2 x 1 Servia (2D)

Jogo 3 – (1E)  (4) Holanda  1 x 1  Paraguay (3) (2F)

Jogo 4 – (1G) Brasil  2 x 1  Chile (2H)

Jogo 5 – (1B) Argentina  4 x 0  África do Sul (2A)

Jogo 6 – (1D) Alemanha  3 x 2 EUA (2C)

Jogo 7 – (1F) Italia  2 x 1  Dinamarca (2E)

Jogo 8 – (1H) (2) Espanha  2 x 2 Costa do Marfim (3) (2G)

QUARTAS

Jogo P – (J1) França 2 x 4  Inglaterra (J2)

Jogo Q – (J3) (5) Holanda  1 x 1 Brasil (6) (J4)

Jogo R – (J5) (2) Argentina  2 x 2 Alemanha (3) (J6)

Jogo S – (J7) Italia  2 x 1  Costa do Marfim (J8)

SEMIFINAL

(JP) Inglaterra 1 x 3 Brasil (JQ)

(JR) Alemanha  1 x 0  Italia (JS)

3º e 4º

Inglaterra  1 x 2 Italia

FINAL

Brasil  1 x 2 Alemanha

ALEMANHA CAMPEÃ